O beija-flor


A nossa amada Regina nos deixou em 28 de fevereiro de 2020. 

A nossa de sala de jantar na casa do Recreio tem uma janela enorme para o jardim, onde nós vemos uma helicônia gigante, que é uma planta linda, muito verde, com flores exóticas e coloridas, que a Regina adorava.

Nas últimas semanas de vida da Regina, eu e ela passávamos muito tempo nessa sala. Pela enorme janela nós vínhamos um beija-flor bailar por entre as flores, por longo períodos, “beijando” todas as flores. Muitas vezes ele pousava para descansar, o que não nos parecia algo comum para beija-flores. Foi assim durante semanas ao longo dos meses de janeiro e fevereiro. Para nós, era sempre o mesmo beija-flor.

Assim que a amada Regina nos deixou em 28 de fevereiro, eu e meus filhos Tadeu e Bernardo ficamos na casa do Recreio por 7 dias seguidos. E, nesse período de tempo, por muitas e muitas vezes, o beija-flor voltou ao mesmo local, agora sem mais a Regina entre nós. Aquilo batia forte em meu coração. Bernardo se emocionava porque dizia que o beija-flor era a Regina, vindo nos ver para ver se estava tudo bem. Foi assim ao longo de 7 dias, durante diversos momentos ao longo dos dias. O beija-flor ali, sempre voando ou pousado, nos olhando. No último dia, antes de sairmos de casa, o Bernardo fez um vídeo, que está anexado nesse texto. No dia seguinte a casa ficou vazia, pois partimos para Paraty, e depois fui para São Paulo com Bernardo. Fiquei ausente da casa do Recreio por 7 dias.

Hoje, quando escrevo esse texto, já faz 3 dias que estou na casa do Recreio novamente, e nunca mais o beija-flor veio passear nas helicônias. Todas as vezes que me encosto no parapeito da janela, ou me reclino na cadeira da mesa de jantar, tento ver o nosso amigo alado... mas ele não está lá.

Bernardo diz que faz sentido que ele tenha partido. Ele acha que a energia da nossa amada Regina ficou no beija-flor, que acompanhou a gente nos dias seguintes para ver a gente de perto. Mas com a gente viajando, a casa esvaziando, ele, ou ela, também tomou outro rumo e a energia agora está em outros lugares. Em toda parte, na verdade.

As vezes eu sinto uma saudade profunda, chega a doer, mesmo sentindo que ela está o tempo todo dentro de mim. É algo muito bom e positivo. Fico pensando o tempo todo nela.

A história do beija-flor vai ficar para sempre entre nós. Ele, ou ela, acompanhou a gente, viu que estamos bem, e se foi.


10 comentários:

  1. Linda demais essa história. Surpreendente que coincide com a minha, quando perdi meu pai, com a mesma doença. Na quela eepoca, coloquei um bebedouro na janela do meu apartamento, para que os beija-flores se aproximassem e trouxessem um pouco de alegria a ele. Levantando-se pouco e com dificuldade, meu pai via o beija-flor se aproximar e dizia: Diva, seus beija-flores estão te procurando e querem água doce. E, então, eu corria e renovava a água. Dezenove anos se passaram e não raro, lembrando-me dele, via um pássaro pousando na minha janela. Impossível não imaginar algo mais. Forte abraço, Mauro.

    ResponderExcluir
  2. Maria Cristina Araujo De Marchi Gherini3 de abril de 2020 08:24

    Lindo... momentos mágicos que ficarão para sempre em memória. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Impressionante como a vida vai desenhando cada passo que o ser humano dá. Temos que ter a sensibilidade de olhar para esses momentos e ver o que aquele momento quis nos dizer... Muito lindo este texto narrando momentos da vida de vocês.

    ResponderExcluir
  4. Vocês devem formar um casal excepcional. A matéria só solidificava essa união. Agora em energia vocês seguem juntos.

    ResponderExcluir
  5. Eu não consegui ler nenhum texto seu sem chorar. Vamos nessa! Ansiosa pelos próximos!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por compartilhar esse texto lindo, mais uma vez conseguiste me deixar com os olhos marejados.Regina sempre estará contigo de alguma forma.

    ResponderExcluir
  7. Como me emociono... lindo demais. Vc e sua esposa são muito especiais

    ResponderExcluir
  8. Olá. Sua história me tocou profundamente, pq eu tb tive uma grande perda há um ano: minha mãe. E o beija-flor é tão presente na minha história que me arrepiei ao ler o seu relato sobre ele. Sou compositora e fiz uma música, cuja letra segue abaixo:
    MÚSICA: BEIJA FLOR
    LETRA:DANI GOMES

    Tem dias que a saudade bate de um jeito diferente
    Aperta o coração e tira o sorriso da gente
    E aquele lindo passarinho, que fez o seu ninho e depois voou
    Deixou um vazio no peito de quem ficou

    Beija flor, você foi embora
    Me diz onde você está agora
    Além do meu coração que de tão triste chora
    Beija flor, beijou flores no caminho
    E voou livre como um passarinho
    E o brilho de uma estrela revelou o seu caminho

    Um dia a saudade vai bater de um jeito diferente
    Lembranças voltam a iluminar o sorriso da gente
    E aquele lindo passarinho que fez o seu ninho e depois voou
    Deixou um jardim de flores coloridas com o mais puro amor..
    Beija flor, você foi embora
    Eu já sei você está agora
    Além do meu coração que de tão triste chora
    Beija flor, beijou flores no caminho
    E voou livre como um passarinho
    E o brilho de uma estrela revelou o seu caminho...

    Que seu beija flor esteja livre e voando num jardim de flores coloridas.
    Um abraço.
    Daniela Gomes

    ResponderExcluir